• Anuário Brasileiro de Direito Internacional

Editora:
Centro de Direito Internacional
Data de publicação:
2010-07-13
ISBN:
1980-9484

Documentos mais recentes

  • Opting Out - Limites para o Poder de Reserva ou Denúncia dos Estados-Parte de Convenções Multilaterais de Direitos Humanos

    O artigo analisa a controvérsia relativa à questão das reservas a tratados multilaterais de Direitos Humanos, da competência dos órgãos de tratados de decidir sobre sua validade, e ao impacto de reservas consideradas inválidas ao resto do tratado. O artigo aborda os desafios fundacionais do Direito Internacional, e discute a questão através de diferente jurisprudência global e regional, concluindo uma evolução da prática a partir da incerteza jurídica até a formação de lex ferenda especializada para tratados de Direitos Humanos PALAVRAS-CHAVE: Tratados de Direitos Humanos, Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos, Reservas, Separabilidade, Comitês de Tratados, Comitê de Direitos Humanos, ONU, Denúncia, Direito Internacional dos Direitos Humanos, Direito de Tratados

  • Questões referentes à imunidade e procedimentos criminais (República da Guiné Equatorial v. França)
  • A Responsabilidade Internacional do Estado Brasileiro por Corrupção

    O presente texto tem como objetivo analisar a responsabilidade internacional do Estado por corrupção. Este mal que tem atravessado os séculos, tem atuado de forma aniquiladora e fatal nas últimas décadas em diversos países do mundo, notadamente no Brasil, onde a sociedade brasileira tem sofrido com os seus muitos maléficos efeitos. Por essa razão, o trabalho busca demonstrar a possibilidade e a necessidade de que o combate à corrupção ocorra não apenas no âmbito da justiça doméstica do país, mas também no plano internacional, por meio de sua responsabilização, principalmente em razão do descumprimento das obrigações internacionais assumidas quanto ao respeito, proteção e efetivação dos direitos humanos, que têm restado amplamente violados aqui em terras brasileiras, como uma decorrência da corrupção que assola o país. Palavras-chave: responsabilidade internacional; Estado; corrupção; tratados internacionais; direitos humanos; violação

  • Questões sobre certos bens iranianos (República Islâmica do Irã v. Estados Unidos da América)
  • Droit de la Mer - Une Approche Euro-Brésilienne

    Compte tenu des auditeurs de ce cours, celui-ci est conçu comme une introduction au droit général de la mer, mais en tenant compte des intérêts spécifiques du Brésil et de l’Union européenne en matière d’exploitation des ressources de la mer et de participation aux activités maritimes licites. En réalité, il s’agit moins d’une relation bilatérale que d’une confrontation d’expériences au cours surtout des 35 dernières années, depuis l’adoption de la Convention de Montego Bay (CMB ou CNUDM) en 1982. Confronté de tout temps à de grandes puissances maritimes – européennes et américaines – le Brésil s’en est longtemps tenu à une approche défensive, « nationaliste », avant de placer ses espoirs dans l’exploitation de certaines ressources minérales sous-marines. Le quasi-continent brésilien ne peut se désintéresser de sa façade maritime : un littoral de 8000 km, 2,7 millions de km2 pour la mer territoriale, un « Glacis amazonien » (plateau continental) et la revendication d’une plate-forme sous-marine étendue. Malgré l’importance géographique de son littoral, les contentieux maritimes internationaux du Brésil sont relativement limités, au moins en ce qui concerne la délimitation des espaces marins (voir la note en annexe). Par contre , son développement économique et sa démographie rendent plus fréquents les conflits d’intérêts entre les diverses préoccupations – notamment environnementales - et les diverses activités licites proches de ses côtes. Mots-clé : Brésil, Union européene, ressources minérales sous-marines, droit de la mer

  • Pesquisa Relativa aos Tratados Ratificados pelo Brasil em 2016
  • Marco Temporal e as Violações aos Direitos dos Povos Indígenas - Análise da Constitucionalidade e da Convencionalidade a Partir da Jurisprudência da CIDH

    O presente estudo pretende analisar porque o marco temporal para demarcação de terras indígenas, fixado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do caso Raposa Serra do Sol, viola direitos dos povos indígenas. Pretende-se demonstrar que a fixação do marco temporal fere os direitos indígenas e, abordar especificamente as violações ao direito à vida, tendo como parâmetro as sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos sobre direitos possessórios indígenas. O estudo é fruto de pesquisa bibliográfica e jurisprudencial com o intuito de analisar casos semelhantes de violações e não reconhecimento de direito à terra tradicional de comunidades indígenas e que se assemelham ao caso brasileiro. De forma a sustentar a inconstitucionalidade e incovencionalidade do marco temporal, segundo o qual para que haja reconhecimento das terras tradicionais, é necessária comprovação de que os índios estavam na posse das terras quando da promulgação da Constituição de 1988 ou desde que provem o esbulho renitente. Como será demonstrado, o atual entendimento fere diversos direitos das comunidades indígenas que podem lhes custar a própria sobrevivência física e cultural. Palavras-chave: Povos indígenas; Marco temporal; Direito à vida; Constitucionalidade; Convencionalidade

  • Projeto gabcíkovo-nagymaros (Hungria v. Eslováquia)
  • Caso relativo a atividades armadas no território do Congo (República Democrática do Congo v. Uganda)
  • Certas atividades realizadas pela Nicarágua na zona fronteiriça (Costa Rica v. Nicarágua)

Documentos em destaque